top of page

5 maneiras de combater a “Síndrome do Impostor”



Cunhado em 1978 pelas psicólogas Pauline Clance e Suzanne Imes, o termo Síndrome do Impostor é usado para descrever a experiência de se sentir uma fraude ou a autopercepção de que as próprias realizações são resultado da sorte e não das próprias habilidades, na maioria das vezes apesar das evidências.


De acordo com uma pesquisa da NerdWallet, 78% dos líderes empresariais relataram ter experimentado pessoalmente a Síndrome do Impostor no local de trabalho, resultando em 59% deles considerando renunciar aos seus cargos, mesmo depois de obterem sucesso substancial em suas funções.


Mais comum em ambientes competitivos e de alto estresse, a Síndrome do Impostor também parece afetar as mulheres quase duas vezes mais frequentemente do que os homens, possivelmente devido a dificuldades comuns para equilibrar o trabalho e as obrigações familiares.


Enquanto a causa exata da Síndrome do Impostor ainda não foi oficialmente descoberta, estudos sugerem que uma combinação de questões como perfeccionismo, medo do fracasso e a hipersensibilidade às críticas provavelmente estão na lista de fatores contribuintes. 


Uma pessoa pode, por exemplo, sentir que tem sucesso nos negócios, mas a falta de educação formal está a segurando. Ou talvez ela acredite que seus laços familiares e sua educação de elite lhe deram uma vantagem injusta. Ou ela não está sujando as mãos o suficiente e, em vez disso, deixa que outros carreguem a maior parte do peso.


Embora a insegurança seja natural de vez em quando, é quando esses pensamentos negativos se tornam generalizados que existe um problema. “Reconhecer que sua mentalidade impostora é defeituosa é o primeiro passo gigante para uma maior autoaceitação e menos estresse”, escreveu Jason Zickerman, presidente e CEO da The Alternative Board, em artigo publicado pela Entrepreneur.


De acordo com ele, existem ainda muitas outras formas de lutar contra a Síndrome do Impostor. Aqui estão cinco delas:


1. Identifique o diálogo interno negativo

“O narrador dentro da sua cabeça pode ser implacável. Faça o seu melhor para redirecionar intencionalmente essa voz para uma voz de compaixão, objetividade e respeito próprio. Concentre-se em seus pontos fortes e sucessos passados, em vez de ficar obcecado com suas deficiências percebidas”.


2. Reconheça suas conquistas pessoais

“Reconheça que, independentemente de quão crítico você seja consigo mesmo, você realmente experimentou um tremendo sacrifício pessoal e acumulou pelo menos um mínimo de sucesso ao longo do caminho. Comemore suas conquistas e talvez mantenha um placar contínuo de todas essas vitórias”.


3. Solicite feedback

“Novamente, sua cabeça pode ser um narrador barulhento e pouco confiável. Para obter objetividade, inicie conversas com os principais participantes, como sua equipe de liderança, colegas ou funcionários de confiança. Essas discussões não precisam ser posicionadas como análises de suas capacidades de liderança; em vez disso, faça perguntas abertas durante as análises do projeto ou reuniões gerais sobre como você pode apoiar melhor sua equipe. Então ouça”.


4. Estabeleça metas realistas

“Ter objetivos elevados como líder empresarial é fantástico – mas esses padrões de referência precisam ser alcançáveis. Sim, sonhe alto, mas não se frustre estabelecendo objetivos irrealistas. Certifique-se de que seus objetivos sejam SMART (específicos, mensuráveis, alcançáveis, relevantes e com prazo determinado, na sigla em inglês) e, em seguida, divida-os em tarefas gerenciáveis. Cada passo à frente para você é um passo atrás para o seu impostor”.


5. Compreenda que a perfeição é impossível

“Não há um projeto na história do mundo industrial que tenha sido concluído sem um ou dois solavancos no caminho. Ficar aquém de vez em quando em sua jornada de liderança é um dado adquirido, e esperar a perfeição é irrealista e contraproducente. O fracasso é um componente essencial do processo de aprendizagem. Portanto, elimine o julgamento e aproveite os erros a seu favor”.


(com Entrepreneur)

Por Anna Dulce

0 comentário

Σχόλια


bottom of page