Você é um profissional tarefeiro?


Quantas vezes você cumpre tarefas no “piloto automático”, sem refletir sobre o propósito daquela atividade?


Diariamente, nos deparamos com as tarefas que precisamos realizar ao longo do dia no ambiente profissional. Afinal, existem metas e prazos no trabalho, sejam eles pequenos ou grandes. Mas é claro que é necessário parar e avaliar se estamos realizando essas tarefas de modo automático, ou se estamos organizando-as de maneira inteligente e com foco nas prioridades.


Essa é a diferença entre um profissional tarefeiro e um estrategista. O primeiro é aquele tipo de funcionário que depende muito do operacional, do trabalho braçal, e usa pouco o raciocínio e a estratégia. O tarefeiro pode até demonstrar boa vontade, obediência e disciplina, mas  falta visão crítica para criar estratégias para direcionar a energia de trabalho e gerar um melhor rendimento.


Listo alguns pontos para identificar o profissional tarefeiro, e se livrar desse comportamento, que prejudica o desenvolvimento profissional:


Tem dificuldade em tomar decisões

O profissional com esse perfil não sabe quando precisa tomar uma decisão, ou sabe mas não consegue decidir nada, e fica desconfortável quando precisa fazer uma análise e se posicionar sobre uma questão mais complexa. A capacidade profissional de um tarefeiro acaba ficando estagnada com o tempo, pois exercita pouco o uso da estratégia, e, com isso, acaba não evoluindo.


Vive na zona de conforto

O tarefeiro é aquele que estaciona na famosa “zona de conforto”, impedindo sua carreira de deslanchar. Para qualquer evolução, é necessário foco e esforço direcionado. Não adianta reclamar da falta de sorte ou invejar o colega de trabalho. A ‘chave’ para crescer profissionalmente está em nós. Basta parar e pensar: o que eu posso fazer de diferente para atingir meus objetivos?.


Não pensa “fora da caixa”

Para se tornar mais atrativo para a empresa e ter seu perfil profissional valorizado, é necessário – além de planejamento e visão – ousadia para sair da mesmice e trazer novas ideias, propor soluções inovadoras para problemas antigos. É preciso apostar em algo diferente, adquirir novos conhecimentos, dar uma sacudida na carreira e, por consequência, equilibrar esforço físico e estratégico com capacidade de análise da situação e o momento certo de agir.


Se o profissional se contentar em seguir sempre o velho “script” da empresa, sem questionar os processos e sem apontar  novos caminhos possíveis, dificilmente será valioso para a empresa. É preciso fazer-se notado e tornar-se indispensável para que sua performance tenha grande valor dentro da empresa. Isso só se consegue arriscando, buscando o novo, e não aceitando as coisas como são.


Por Leandro Moreira

Via dicasprofissionais.com.br