top of page

5 soft skills para você se destacar na nova era da IA


Dentre os diversos avanços tecnológicos alcançados pela sociedade nas últimas décadas, poucos foram tão transformadores quanto a Inteligência Artificial, especialmente a IA generativa.


Estas mudanças, é claro, trazem dúvidas à tona, muitas delas relacionadas ao que significam para o ambiente profissional.


Em artigo escrito para a Fast Company, Heide Abelli, co-fundadora da SageX Inc., elencou as cinco competências da força de trabalho que se tornarão mais importantes no contexto da IA.


1- Interação social


De acordo com a especialista, em um mundo de IA, muitos empregos continuarão a exigir competências sociais avançadas, como a autorregulação emocional, a escuta ativa durante reuniões ou a colaboração com colegas de equipe sob pressão.


Segundo estudos recentes, o uso de IA reduz a lacuna de desempenho entre funcionários com diferentes níveis de aptidão e antiguidade, o que torna o espaço entre níveis de habilidade social mais pronunciado, enfatizando a importância da comunicação interpessoal, do trabalho em equipe e da inteligência emocional em local de trabalho.


2- Criatividade


A ampla generalização de que a IA substituirá os humanos no local de trabalho é incorreta, mas é muito provável que os humanos que utilizam a tecnologia substituam os humanos que não o fazem. Neste contexto, trabalhadores humanos que aproveitam a IA e que demonstram uma combinação de forte criatividade e capacidade de pensamento crítico terão os melhores resultados.


Isto acontece, segundo Abelli, graças ao grau significativo de criatividade envolvido na concepção de prompts de IA que resultam nas respostas mais frutíferas. Projetar prompts de IA não é apenas uma questão de instruções simples, e sim uma arte que requer um grau significativo de criatividade.


O sucesso de um resultado gerado por IA está diretamente ligado à qualidade, especificidade e engenhosidade da solicitação recebida. Um prompt elaborado de forma criativa atua como um catalisador, orientando a IA em direção a respostas mais perspicazes, relevantes e diferenciadas.


3- Pensamento crítico


O pensamento crítico deve ser aplicado para avaliar as respostas da IA, uma vez que nem todas serão válidas, imparciais, factuais ou isentas de erros. É na avaliação dos prompts que entram em jogo o raciocínio lógico humano, o pensamento reflexivo, o pensamento racional e a avaliação imparcial.


Para a especialista, embora a IA possa gerar grandes quantidades de dados, análises e potenciais soluções a uma velocidade sem precedentes, a veracidade e aplicabilidade das suas respostas generativas não estão garantidas. Estas tecnologias, embora sofisticadas, baseiam os seus resultados em padrões identificados a partir de vastos conjuntos de dados, que podem conter preconceitos e imprecisões inerentes.


É então, diz Abelli, que a habilidade exclusivamente humana de pensar criticamente se torna indispensável. Com o raciocínio lógico, é possível dissecar os resultados da IA, identificando possíveis falhas ou inconsistências, considerar as implicações e contextos mais amplos das informações que são apresentadas, e pesar as evidências, discernindo entre o relevante e o estranho.


4- Curiosidade


A curiosidade é um impulso inato para explorar, compreender e buscar informações sobre o mundo que nos rodeia. A ânsia de descobrir leva o funcionário a fazer perguntas, investigar coisas, desafiar suposições e se aprofundar, o incentivando a se aventurar fora de sua zona de conforto e a se envolver com conceitos, ideias e experiências desconhecidas.


Na era da IA, explica Abelli, onde algoritmos e máquinas podem processar e apresentar rapidamente grandes quantidades de dados, a curiosidade se torna ainda mais importante, uma vez que a máquina, capaz de identificar padrões, prever resultados e automatizar tarefas complexas, não possui uma compreensão profunda que decorre da curiosidade humana genuína.


De acordo com a especialista, o valor do funcionário passa da simples posse de conhecimento para a aplicação da curiosidade: a capacidade de questionar, interpretar e reimaginar esse conhecimento. Ao perguntar constantemente “por que” ou “como”, as pessoas curiosas chegam aos tipos de soluções e ideias inovadoras que as empresas precisam na era da IA.


5- Tomada de decisões ética e imparcial


Sistemas de IA operam em enormes conjuntos de dados e suas decisões se baseiam em padrões extraídos desses dados, que podem espelhar e amplificar ainda mais os preconceitos sociais, levando a máquina a fazer julgamentos discriminatórios e injustos.


Segundo Abelli, quando não são controlados, os preconceitos da IA ​​perpetuam as desigualdades e até levam a novas formas de discriminação organizacional, com consequências potencialmente graves, desde quem a organização contrata até quem tem acesso a um produto ou serviço. Para lutar contra isso, existe apenas a capacidade exclusivamente humana de tomar decisões imparciais.


A capacidade de um funcionário tomar decisões éticas garante que a implementação da IA ​​defende os valores sociais, respeita os direitos humanos e salvaguarda as liberdades individuais. É a habilidade exclusivamente humana de tomada de decisão ética que garante que a IA implantada na organização nunca seja usada de forma prejudicial, invasiva ou injusta.


Qual dessas soft skills você acredita possuir? Deixe um comentário!


(Com Fast Company)


Por Anna Dulce

0 comentário

Comments


bottom of page